A luta contra o Passaporte Sanitário

0
2739

Em nome da Ciência, a Ciência está sendo desrespeitada no Brasil e no Mundo.

Não bastasse tudo que foi enfrentado no ano de 2020, com Lockdown de mais de 120 dias, comércio quebrando, ver senhora que tomava sol em praça pública apanhar da polícia metropolitana, surfistas sendo retirados do mar, ciclistas no calçadão sendo detidos, tudo por causa de um vírus criado em laboratório, como se fosse o primeiro da História e como se tivesse a letalidade de um Ebola. Eis que surge o papel do Controle Social, o tal do Passaporte Sanitário das Vacinas Experimentais, não importando se o cidadão ou Cobaia faz um shake de marcas com elas, com Pfizer, Astra Zeneca, Moderna e a Coronavac do governador de São Paulo, Doria, ou mais conhecido como Ditadória.

Esse enorme problema, deixa de ser nacional e passa a ser mundial, mas convém no momento falar do Brasil. Quem não se adequa aos ditames autoritários de governadores e prefeitos de esquerda, está enfrentando diversos problemas com o papel do Controle Social em várias cidades pelo país. Em algumas grandes cidades, a cada dia há um avanço notório de cerceamento de liberdades, onde se enfrenta situações jamais imaginada há alguns anos.

A sociedade civil foi às ruas manifestar contra o Passaporte Sanitário em frente à Prefeitura de SP, em 26 de agosto. Em 18 de setembro foi a vez da Manifestação Mundial chamada de World Wide Rally for FREEDOM e o Brasil não ficou de fora. Nos dias 24 de outubro e 21 de novembro, na Avenida Paulista, aconteceram Audiências Públicas na ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) e novamente a presença do povo foi registrada. Além disso, médicos renomados, que atuam na linha de frente do combate ao vírus, como Alessandro Loiola, Paolo Zanotto, Nise Yamaguchi, Lucy Kerr, Emília Gadelha, Paulo Porto de Melo, Roberta Lacerda, Akemi Shiba, José Nasser, Francisco Cardoso entre outros, marcaram sua presença e manifestaram suas opiniões, compartilhando experiências médicas e dados científicos que justificavam a não adesão ao Passaporte Sanitário.

Ainda outras três datas recentes foram marcadas com a presença da sociedade civil organizada na ALESP em favor da liberdade. Não fosse isso o Passaporte Sanitário já teria sido aprovado em todo o país e hoje como tem acontecido no resto do mundo à revelia dos graves efeitos colaterais acontecendo em pessoas outrora saudáveis, mas convenientemente sendo escondidos ou abrandados pelos laboratórios e chefes de Estado como se isso fosse um problema sem importância. Vale lembra que essas vacinas são experimentais e nunca poderiam ser aplicadas sem uma declaração assinada de conhecimento dos efeitos colaterais pelos voluntários inoculados. Além disso, existe um tratamento vigente cientificamente demonstrado que funciona, com centenas de artigos revisados por pares e duplo cego atestados sua eficácia (veja por exemplo https://c19early.com/), o que coloca por terra não só a narrativa de que o tratamento não funciona como também a justificativa da aplicação emergencial das vacinas.

Sobre o Direito, em virtude do agora “entendimento” judiciário, tudo que foi escrito na constituição perde seu caráter pétreo se o que está escrito lá contraria a opinião de magistrados para analisar casos envolvendo a pandemia e provocado por partidos políticos sem qualquer relevância representativa da sociedade.

Se já não bastasse, hoje vemos políticos (corruptos) ditando ordens e se sobrepondo às orientações médicas. As Redes Sociais coibindo e banindo quem ousa falar de qualquer tratamento.

Essa luta não tem ideologia política, essa luta é por Liberdade, é por essa Geração (e também pelas futuras) que estão sendo proibidas de viajar, de tirar documentos, de fazer compras, de entrar em hospitais, restaurantes, de estudar, entre outros. Não se trata de ser contra vacinas, mas de chamar de vacina uma droga que não saiu da fase de testes, mas que está sendo indiscriminadamente sendo tratada como se fosse um dentre as já tradicionais estabelecidas e que, elas sim, passaram por décadas de testes e processo rigoroso de eficácia e segurança.

Lutemos por Liberdade!