Milhares protestam contra o passaporte sanitário na Europa

0
418

Diversos setores da sociedade, manifestaram desaprovação às restrições impostas pelos governos. Na Alemanha houve também passeatas contra as imposições ditatoriais. Milhares participaram de protestos na Bélgica e na República Tcheca contra as restrições oficiais, neste domingo (09/01). Na Alemanha e na Áustria, as manifestações se concentraram na véspera.

 

No momento, diversos governos da União Europeia estão adotando medidas de confinamento rigorosas e novas exigências, a fim de impor um maior contingente de vacinações e de doses de reforço.

 

Cerca de 5 mil cidadãos compareceram neste domingo a uma passeata na capital belga, Bruxelas. Os participantes carregavam faixas criticando a ditadura da vacina e expressando descontentamento com a exigência de certificado de inoculação ou recuperação para frequentar bares, restaurantes e eventos culturais.

 

Na capital Praga, milhares protestaram no domingo contra a proposta de tornar a vacinação contra o vírus Sars-Cov-19 compulsória para certos grupos etários e profissionais. Muitos na multidão carregavam bandeiras tchecas, alguns entoavam “Liberdade, liberdade!”.

 

O governo tcheco está estudando obrigar a se vacinarem tanto os maiores de 60 anos quanto pessoal médico, estudantes de medicina, policiais e bombeiros. A medida foi decretada no início de dezembro pelo então primeiro-ministro Andrej Babis.

 

Em diversas cidades alemãs transcorreram no sábado protestos contra as restrições anti-covid, em parte direcionadas à recém-aprovada obrigatoriedade de vacinas para funcionários de hospitais e lares de cuidados especiais.

 

Grande parte das passeatas foi organizada pelo movimento Querdenken 711 (pensamento lateral). Criado na cidade de Stuttgart, desde o início da pandemia ele se opõe aos confinamentos decretados pelo governo.