MPF acusa dono da Globo de construir mansão em área proibida no Rio

0
2759

O herdeiro de Roberto Marinho é acusado de construção ilegal em uma área de preservação ambiental. Segundo os autos do processo, a construção foi revelada pela revista norte-americana Bloomberg Markets. A reportagem da conceituada publicação acusa a empreiteira Camargo Corrêa, a família Marinho e o cineasta Bruno Barreto, entre outros, de construir mansões em áreas de preservação ambiental do litoral fluminense.

O material também dizia que membros da família Marinho construíram uma casa de 1.300 metros quadrados, com heliponto e piscina, em uma área que deveria ser preservada, próxima à praia de Santa Rita, em Angra dos Reis, que fica a 157 km da capital fluminense. O projeto da casa foi feito pelo arquiteto Marcio Kogan, um dos mais renomados do Brasil.

Após a publicação, o MPF investigou o assunto e argumentou que encontrou fortes indícios de que Marinho fez construções irregulares na Ilha da Josefa, situada na Área de Proteção Ambiental de Tamoios, uma das maiores do Estado, do Estado, sem licença de qualquer órgão ambiental.

Junto com a multa em dinheiro, o MPF apelo para que o executivo fosse obrigado a demolir a construção, além de recuperar a área degradada.